HC inaugurou “Sala da Família” para parentes de potenciais doadores

(25/09/2006) Na abertura da Semana Nacional de Doação de Órgãos, o Hospital de Clínicas da Unicamp inaugurou nesta segunda-feira (25/09), às 10 horas, um espaço exclusivo para o atendimento de familiares com parentes potenciais doadores de órgãos. A Sala da Família está localizada na entrada principal do hospital e contará com um atendimento multidisciplinar, direcionado para o acolhimento dessas pessoas em situações adversas, que exijam uma maior privacidade e conforto tanto para a família, quanto para o profissional de saúde.

Baseado nos princípios de um atendimento humanizado, a iniciativa para criação física do espaço surgiu da integração de várias áreas e grupos do hospital, principalmente o Grupo de Trabalho de Humanização, a Organização para Procura de Órgãos - OPO, o Comitê de Bioética do HC e a Capelania. Confirmaram presença diversas associações e ONGs como a Associação de Assistência aos Portadores de Hepatites, Candidatos e Transplantados Hepáticos do Interior do Estado de São Paulo (APOHIE) e Associação de Pacientes Renais Crônicos (AACAR).

De acordo com os idealizadores do projeto, o novo ambiente é fundamental para o acolhimento familiar em situações complexas e potencialmente problemáticas, como a comunicação óbitos, elaboração do luto e solicitação de doação de órgãos para transplantes, que mexem profundamente com a estrutura familiar dos pacientes. A nova área tem 80 metros quadrados e deverá funcionar 24 horas todos os dias da semana.

Para a equipe envolvida, atender e acolher cada usuário do HC e seus familiares, respeitando suas particularidades e necessidades, principalmente nas situações de maior vulnerabilidade, são ações em pleno acordo com os princípios do SUS e que, sem dúvida, contribuirão para o seu fortalecimento. O HC da Unicamp realiza todos os tipos de transplantes (rim, pâncreas, fígado, coração, córneas e medula óssea), com exceção de pulmão e ossos que está sendo estruturado.

Entre os órgãos que podem ser doados, o coração e o pulmão são os que possuem o menor tempo de preservação extracorpórea: de 4 a 6 horas. Fígado e pâncreas vêm em seguida com tempo máximo para transplante de 12 a 24 horas e os rins podem levar até 48 horas para serem transplantados. Já as córneas podem permanecer em boas condições por até sete dias e os ossos até cinco anos.

Caius Lucilius
Assessoria de Imprensa do HC UNICAMP

Share/Save