HC treina professores da rede pública em comemoração ao Dia Mundial da Visão

(11/10/2007) Em comemoração ao Dia Mundial da Visão, que neste ano tem como tema a visão das crianças, o Núcleo de Prevenção da Cegueira do Hospital de Clínicas da Unicamp promoveu nesta quinta-feira (11-10), o treinamento sobre visão da criança para cerca de 50 professores da Rede Pública de Campinas, Hortolândia e Monte Mor. A intenção dos profissionais do HC foi oferecer aos professores, conhecimento básico de como identificar suspeitas de deficiência visual em alunos do ensino fundamental.

O projeto tem como foco preparar os professores para identificar basicamente três tipos de problemas: os vícios de refração (Astigmatismo, miopia e hipermetropia) e o estrabismo. Segundo os especialistas da Unicamp, esses problemas são os mais comuns e geralmente são responsáveis pelo baixo desempenho escolar quando não terminam com a evasão escolar.

De acordo com a coordenadora do Núcleo de Prevenção da Cegueira do HC, Dra. Denise Fornazari no mundo, segundo estimativas da OMS, uma criança fica cega a cada minuto e aproximadamente 75% das crianças cegas estão em países em desenvolvimento. “No Brasil estima-se que 1% da população seja portadora de deficiência visual e que a principal causa sejam os erros refracionais não corrigidos em todas as faixas etárias”, explica a coordenadora. Na região de Campinas esse índice varia entre 0,2 a 0,6%.

Ainda segundo dados da OMS, nos países em desenvolvimento 60 por cento das crianças afetadas pela cegueira morrem após um ano da instalação da doença. Os outros 40% deverão viver 40 anos em média e 90% não terão qualquer oportunidade de estudar. “Cerca de setenta e cinco por cento dessas crianças poderiam ser tratadas, operadas ou ter a cegueira evitada”, comenta o professor Carlos Arieta Coordenador do Projeto Visão 2020 Brasil. Ainda segundo o médico, os prejuízos econômicos decorrentes da cegueira no mundo são da ordem de US$ 42 milhões/ano.

Participaram do curso para os professores da Rede Pública de Campinas, Hortolândia e Monte Mor, o professor Carlos Arieta, Dra. Denise Fornazari, Dr. Fábio Scarpa Bosso, Dr. André Okanobo e as enfermeiras Ana Paula Costa e Neuza Heli dos Santos.

Caius Lucilius
Assessoria de Imprensa do HC UNICAMP

Share/Save