HC promove neste sábado mutirão para prevenção do Câncer de Pele

(23/11/2010)  A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), em parceria com a disciplina de Dermatologia da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp promove no próximo dia 27 de novembro (sábado), a Campanha Nacional de Prevenção do Câncer de Pele, com objetivo de detectar lesões suspeitas. O horário de atendimento será das 9 às 15 horas, no ambulatório de dermatologia do Hospital de Clínicas da Unicamp. A campanha ocorrerá nos grandes centros de todo o país e consiste em uma oportunidade para a população ser informada sobre o que é o câncer de pele, quais são os riscos e como se prevenir.

O atendimento será gratuito e as pessoas interessadas receberão informações através de aulas e folders sobre o câncer de pele, os fatores de risco e as maneiras de prevenção. As pessoas que comparecerem também serão submetidas a exame dermatológico detalhado e, se diagnosticada alguma lesão de risco, encaminhadas para tratamento no HC.

Segundo a dermatologista e coordenadora da campanha, Renata Ferreira Magalhães, nos últimos 5 anos, 150 casos foram descobertos durante a Campanha e tratados pelo serviço do Hospital com sucesso A cada ano são feitas 300 avaliações em média no dia do mutirão. A expectativa é de receber um número significativo de pessoas de toda região para conscientização e para diagnóstico precoce de tumores da pele.

Os principais tipos de tumores diagnosticados são carcinomas basocelulares, espinocelulares e casos de melanoma. Os casos de tumores basocelulares e lesões causadas pela exposição ao sol são os tipos mais frequentes, e representa 70% dos casos. É mais comum após os 40 anos, em pessoas de pele clara. Seu surgimento está diretamente ligado à exposição solar acumulativa durante a vida. Apesar de não causar metástase, pode destruir os tecidos à sua volta, atingindo até cartilagens e ossos.

De acordo com Renata, a maior preocupação dos médicos de todo mundo é com os melanomas - o tipo mais perigoso, com alto potencial de produzir metástase. O tumor pode levar à morte se não houver diagnóstico e tratamento precoce. É mais freqüente em pessoas de pele clara e sensível. "Normalmente, inicia-se com uma pinta escura", alerta a médica.

Promovida anualmente, desde 1999, pela SBD, a Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer de Pele reúne em todo país mais de 1000 dermatologistas voluntários. Todos os anos a média de pacientes avaliados no Brasil é de cerca de 35 mil pessoas, com uma média de 8% de casos diagnosticados . No Estado de São Paulo, em média, são atendidas 15 mil pessoas, sendo diagnosticados 9% de casos novos de câncer de pele.

Os sinais de risco para o câncer de pele são: pele clara, sardas ou múltiplas pintas; antecedente pessoal de câncer de pele ou casos de câncer de pele na família; exposição freqüente ao sol no trabalho ou no lazer; pintas enegrecidas, que apresentam cores diferentes, coçam ou sangram ou cresceram rapidamente; feridas que não cicatrizam ou lesões secas e ásperas na pele exposta.

Todos os exames são registrados em um protocolo de atendimento, que permitem o Ambulatório de Dermatologia e a SBD desenvolver estatísticas confiáveis sobre o perfil e as características dos brasileiros que poderiam desenvolver - ou não - o câncer da pele.

 

Caius Lucilius com Yasmine Azevedo
Assessoria de Imprensa do HC Unicamp

Share/Save