Pediatria do HC recebe novos berços aquecidos

(09/09/2015) O Hospital de Clínicas adquiriu e instalou na Enfermaria de Pediatria, mais quatro berços aquecidos. Diferentemente dos berços convencionais, estes modernos berços possuem um sistema automatizado de aquecimento, que controla a temperatura de acordo com a necessidade do paciente neonatal, alcançando até 36º C (temperatura média do corpo humano). Com a aquisição, a Enfermaria de Pediatria do HC passa a ter seis aparelhos como este para o tratamento intensivo.
 
Os berços aquecidos da marca Fanem, especializada na fabricação de equipamentos neonatais, foram comprados por meio de recursos do Ministério da Saúde através do Programa de Estruturação de Unidades de Atenção Especializada em Saúde. Cada equipamento custou R$ 30.000,00 com um investimento total de R$ 120.000,00.
 
O engenheiro clínico Gustavo El Khalili explica que como o aparelho é automatizado o paciente neonatal fica mais acomodado, sem a necessidade de retira-lo para alguns tipos de procedimentos, como a pesagem. “Este equipamento traz tecnologia e humanização, oferecendo recursos para maior cuidados intensivos e reanimação do paciente neonatal. A própria bandeja possui uma balança acoplada, o que facilita no monitoramento do bebê”, aponta o engenheiro.
 
O equipamento atende recém-nascidos e bebês com até sete quilos, principalmente aqueles que necessitam de tratamento intensivo. O monitor colorido em LED traz informações do paciente sobre a temperatura da pele, peso, frequência cardíaca e oximetria. Os berços aquecidos também possuem misturador de gases do tipo Blender, umidificador aquecido, gaveta porta chassi de raios-x, acionamento elétrico de posição da mesa e reanimador infantil completo.
 
El Khalili também ressalta que os berços possuem uma fonte de irradiação por fototerapia, utilizada no tratamento de hiperbilirrubinemia, doença causada pelo excesso de bilirrubina no sangue do bebê, o que causa icterícia, popularmente chamada de amarelão. “Quando o paciente neonatal fica exposto a essa fonte de luz, a bilirrubina começa a ser eliminada do corpo e o amarelado da pele vai sumindo.

Como o aparelho já possui o sistema de fototerapia não é necessário montar outros equipamentos, facilitando o trabalho de médicos e enfermeiros. Vale ressaltar que a irradiação é livre de raios infravermelhos e ultravioletas, nocivos à saúde”, aponta o engenheiro clínico.


 

Caius Lucilius com Gabriela Troian

Assessoria de Imprensa do HC Unicamp

 

Share/Save