Campanha no HC alerta para câncer de cabeça e pescoço

(22/07/2015) O Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp participou na última segunda-feira (27/7) da Campanha Internacional pelo Dia Mundial do Câncer de Cabeça e Pescoço. Considerando a alta incidência da doença no país, orientações e informações serão passadas à população, a partir das 9 horas, na rampa de entrada do 3º andar. Ao ano o HC realiza cerca de 4 mil consultas no ambulatório de cabeça e pescoço, 30% casos suspeitos de câncer.

Os principais fatores de risco para o aparecimento dos tumores são o uso de cigarro e álcool, sexo oral sem proteção, a falta de informação e de cuidados pessoais. “Quando o cigarro e o álcool são associados, multiplica-se em até 20 vezes a possibilidade de uma pessoa saudável desenvolver algum tipo de câncer de cabeça e pescoço”, alerta o cirurgião do HC, Flávio Mignone Gripp, representante regional da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP).

Alguns dos sintomas são de fácil detecção, por exemplo, quando o tumor atinge as cordas vocais, pode causar rouquidão e também dificuldade ao engolir. Caso o câncer atinja a boca, o paciente pode desenvolver ferida que não cicatriza. “É imprescindível que se faça o diagnóstico precoce das lesões, pois sabemos que a chance de cura nesses casos é muito maior”, reforça Gripp.

Cerca de 60% de pacientes atendidos no HC, são diagnosticados com estado avançado da doença. A falta de prevenção do câncer de cabeça e pescoço ainda é um grande desafio no país e se diagnosticado em estágio inicial, a chance de cura pode chegar a 90%.

Os tumores de cabeça e pescoço são lesões variadas que podem surgir na boca e lábios (mais frequente em homens), na laringe, faringe, tireóide (mais frequente em mulheres), pescoço, nariz e cordas vocais. Geralmente são tratados por meio de cirurgias, quimioterapia e radioterapia, considerados métodos agressivos.

Depois do tratamento, algumas pessoas sentem dificuldade para falar, comer e até respirar. “É importante que o paciente seja atendido por toda uma equipe multidisciplinar, que inclui médicos cirurgiões, fonoaudiólogos, enfermeiros, dentistas, fisioterapeutas, radiologistas, quimioterapeutas, nutricionistas e também psicólogos”, conclui Gripp.

Tabagismo
De todos os fatores de risco, o tabagismo aparece em primeiro lugar. Pessoas com maior dependência do cigarro apresentam risco de até 25 vezes em desenvolver os tumores, em relação aos não fumantes. Em menores chances ao desenvolvimento estão os fumantes passivos. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, a cada hora 10 pessoas morrem por doenças relacionadas ao cigarro no mundo. O número de fumantes no Brasil está em 10,8%, de acordo com a Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel).

Julho Verde
O dia 27 de julho foi definido como o Dia Mundial do Câncer de Cabeça e Pescoço em congresso mundial da especialidade, realizado em 2014, pela Federação Internacional de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. No Brasil, a SBCCP realiza a campanha “Julho Verde”, para conscientização sobre os principais fatores de risco da doença.

Assista notícia no Bom Dia Cidade da EPTV


http://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/bom-dia-cidade/videos/t/edicoes/v...

Ouça a notícia na CBN Campinas
http://www.portalcbncampinas.com.br/?p=111463

 

Caius Lucilius com Caroline Roque
Assessoria de Imprensa do HC Unicamp

Share/Save